Meta admitiu que protege “parceiros de negócios”

Mídia Digitais

O sistema de ‘Cross-check’ do Meta parece favorecer os ‘parceiros de negócios’, diz o conselho de supervisão.

Usuários de alta receita são mais protegidos que usuários regulares, descobriu a “corte suprema” da Meta (Antigo Facebook). O conselho diz que a verificação cruzada não prioriza a proteção da liberdade de expressão e dos direitos civis na plataforma.

O conselho disse que a “contagem de celebridades ou seguidores” de um usuário não deve ser o único critério para receber proteção especial. A Meta admitiu ao conselho que o critério para incluir “parceiros de negócios” na lista incluía o valor da receita que eles geraram. A empresa descreveu este sistema como “consertos técnicos” e disse que executa cerca de 1.000 por dia.

Neymar está na lista dos protegidos

Em setembro passado, o Wall Street Journal, usando documentos divulgados pela denunciante Frances Haugen, informou que o jogador de futebol brasileiro Neymar havia respondido a uma alegação de estupro em 2019 postando vídeos no Facebook e no Instagram.

As contas de Neymar foram mantidas ativas mesmo após “escalar o caso para a liderança”, os moderadores foram impedidos de remover o vídeo por mais de um dia, diz documento interno. Importante ressaltar que Neymar negou a acusação de estupro e o caso foi arquivado.

Nick Clegg disse que preferia manter o conteúdo atualizado em vez de removê-lo. Ele disse que a Meta parecia mais focada nas consequências de suas decisões relacionadas aos negócios do que nas relacionadas aos direitos humanos. O conselho disse que a Meta via o risco de uma decisão de conteúdo resultar em “escalada para os níveis mais altos” para o executivo-chefe de uma organização como altamente sensível.

Fonte/Créditos: The Guardian

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *