Otherkin: Euforia Pós-Show e as Pressões Financeiras

Música

Há cinco anos, a cena musical perdia uma força notável com o término da banda Otherkin. Com shows memoráveis e uma presença única no cenário underground, a banda de Dublin deixou uma marca indelével.

Composta por Luke Reilly nos vocais e guitarra, Conor Andrew Wynne na guitarra principal, David Anthony no baixo, e Rob Summons na bateria, o Otherkin iniciou sua jornada em 2013. Movidos por um amor compartilhado por bandas icônicas como The Clash, QOTSA, Ramones e Blur, a banda rapidamente se destacou.

Os primeiros shows em dormitórios universitários evoluíram para apresentações regulares na cena de shows ao vivo de Dublin. Logo, participaram de festivais irlandeses renomados, consolidando sua presença.

O single “Ay Ay,” com sua energia grunge-pop, capturou a atenção da gravadora Rubyworks em 2015. O EP “201,” contendo “Ay Ay” e “Feel It,” marcou uma fase vibrante, com destaque em festivais no Reino Unido.

A trajetória ascendente continuou em 2016, com um empolgante show no Eurosonic, na Holanda, e convites para festivais no verão seguinte. “I Was Born,” lançada em 2016, foi um vislumbre do segundo EP, mostrando a diversidade sonora do Otherkin.

Em 2021, a banda compartilhou uma mensagem tocante via Twitter, anunciando seu fim após sete anos intensos. A luta constante entre os extremos da euforia pós-show e as pressões financeiras foi citada como parte da realidade de uma banda nos dias de hoje.

Ao encerrarem essa jornada, o Otherkin expressou profunda gratidão a todos que contribuíram, desde familiares, namoradas, amigos, até a gravadora Rubyworks e colaboradores nos bastidores. Seu legado perdura não apenas em um álbum de estreia notável, “Otherkin OK,” mas nas lembranças de shows incendiários e na influência deixada na cena musical irlandesa.

Desejamos a Luke, Conor, David e Rob caminhos brilhantes em seus empreendimentos futuros, reconhecendo que o talento que compartilharam como Otherkin continua a ressoar nos corações dos fãs e na história do rock underground.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *